Admirável 8 anos

No dia 2 de agosto de 2018, o Candido Martins Advogados completa 8 anos. 8 anos de um aprendizado ímpar e convivência com pessoas espetaculares que hoje considero amigos. Ao invés de entediá-los com os principais acontecimentos dos últimos 8 anos, decidi explicar um pouco do que fazemos no Candido Martins, mas de uma forma diferente: por meio de uma releituraou tradução) das obras que foram lidas no último ano no nosso clube de leitura.
A belíssima obra, “A Restauração das Horas”, de Paul Harding, nos ensinou a ler de forma reflexiva, com atenção e foco. A leitura dessa obra pede paciência, perseverança e dedicação, ou seja, parar, respirar e ler atentamente. É o que fazemos com nossos clientes. Nos empenhamos em ler e escutar o cliente, entender suas necessidades e preocupações, e isso requer muita atenção e dedicação. O cliente quer ser escutado e não apenas ouvido.
Uma das últimas obras lida no clube de leitura foi “É isto um Homem”, escrita pelo prisioneiro de guerra, Primo Levi. Sem entrar na obra em si e toda sua relevância para os dias atuais, o que trazemos de reflexão é a forma que o livro foi escrito: de forma precisa, concisa e objetiva. Os nossos trabalhos devem ser conduzidos dessa forma. O que precisa ser duradouro, honesto e sincero é o relacionamento com nossos clientes. Como Levi nos ensina, “é disso que o homem precisa e deve ser feito”. Primo Levi pede que futuras gerações meditem no significado dos eventos que ele presenciou durante a segunda guerra mundial. Temos que  manter nossos valores sempre, mesmo em meio a desumanidade. E isso fazemos muito bem no Candido Martins. Nossos valorescuidar, colaboração e integridade) são fortes e enraizados em todos os advogados do escritório.
“Infiel”, de Ayaan Hirsi Ali, é um livro sobre uma mulher extraordinária que soube levantar a voz para proteger as mulheres muçulmanas. Em nenhum momento ela recuou, não obstante as inúmeras ameaças de morte e dificuldades enfrentadas durante sua vida. É isso que buscamos fazer nas nossas vidas profissionais e pessoais. Cuidamos de todos no escritório e de nossos clientes, pautados em valores de ética e integridade.
Na “Fantástica Vida Breve de Oscar Wao”, ganhadora do prêmio Pulitzer, Junot Diaz, relata a vida difícil de Oscar, um nerd dócil e terrivelmente obeso, morador do gueto de Nova Jersey, que sonha em encontrar um grande amor. A obra de Junot Dias descreve as dificuldades encontradas pelo Oscar em ir atrás de seus sonhos e desejos. No entanto, é possível que nunca realize seus desejos, graças ao fukú – uma antiga maldição que assola a família de Oscar há gerações. Durante nossa vida profissional, encontramos inúmeros obstáculos que muitas vezes são criados por nós mesmos e precisamos ultrapassar essas barreiras para seguir em frente e atrás de nossos sonhos. Durante os 8 anos de trajetória do escritório, tivemos que ultrapassar inúmeras barreiras, mas sempre de forma ética e cuidando dos integrantes do escritório e dos clientes. Não existe sorte, tampouco maldição. O que existe é trabalho duro, perseverança, comprometimento e um senso de cuidar para com todos. O êxito é resultado de tudo isso. Alguns confundem com “sorte”.
Alice Walker, na sua obra contemporânea “A Cor Púrpura”, nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais. É uma história de racismo, machismo, classicismo e outros preconceitos. Infelizmente, são palavras que lemos todos os dias nos jornais e assombra os ambientes profissionais. Nossos 8 anos foram pautados por valores que refutam todos esses preconceitos e isso permitiu atrair pessoas corretas que compartilham os mesmos valores que os sócios fundadores.
O título deste artigo é um jogo com o título de uma obra que foi lida no começo do ano. “Admirável Mundo Novo”, um romance escrito em 1931 por Aldous Huxley, que antecipa desenvolvimentos fictícios em tecnologia reprodutiva, hipnopedia, manipulação psicológica e entre outros, que se combinam para criar as bases de uma nova sociedade. Por que o jogo de palavras? Aqui, buscamos inovar e criar bases para uma advocacia diferente. Diferentemente da obra do Aldous Huxley, nossa inovação é pautada na relação humana e o cuidado com o cliente, buscando soluções criativas para resolução dos casos.
Deixo aqui meu agradecimento a todos que nos acompanharam nesses 8 anos, em particular ao meu sócio Alamy, com quem acredito partilhar mais 80 anos admiráveis!
Henrique Martins, sócio fundador do Candido Martins Advogados