Memórias de minhas putas tristes – Gabriel García Márquez

Memória de Minhas Putas Tristes desfia as lembranças de vida desse inesquecível e solitário personagem em mais um vigoroso livro de Gabriel García Márquez. O leitor irá acompanhar as aventuras sexuais deste senhor, narrador dessas memórias, que vai viver cerca de cem anos de solidão embotado e embrutecido, escrevendo crônicas e resenhas maçantes para um jornal provinciano, dando aulas de gramática para alunos tão sem horizontes quanto ele, e, acima de tudo, perambulando de bordel em bordel, dormindo com mulheres descartáveis, até chegar, enfim, a esta inesperada e surpreendente história de amor.

O Alienista – Machado de Assis

Clássico da literatura brasileira, esta ficção de Machado de Assis é, mesmo cento e trinta anos após sua publicação original, uma das mais devastadoras observações sobre a insanidade a que a ciência pode chegar.
Médico, o protagonista Simão Bacamarte passa a se interessar pela psiquiatria, iniciando um estudo sobre a loucura na cidade de Itaguaí, no Rio de Janeiro, onde funda um hospício – tido como o que havia de mais moderno no tratamento de doenças psiquiátricas –, reunindo a população local para seus experimentos. O que se segue é uma história surpreendente e atual no debate sobre os limites entre a loucura e a razão, a insanidade e a lucidez.

As Brasas – Sándor Márai

As Brasas é um livro impactante que trata um reencontro de um velho general húngaro, Henrik, com um antigo amigo, Konrad, no seu castelo, na região dos Cárpatos. Nesse encontro, que ocorre após quarenta anos, temos a conversa desses dois homens a oscilar entre um passado idealizado e um presente decadente. As conversas retratam um tempo distante, viajando desde a infância até a idade adulta dos dois homens, que viveram as duas grandes guerras mundiais. Mesmo com o passar do tempo, um fato que ocorreu na última vez em que se viram ainda incomoda o general, que está determinado a descobrir a verdade, o que acaba servindo para que sejam tratadas outras questões, mais amplas.

O Sol é Para Todos – Harper Lee

É um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico”The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

O Livro do Riso e do Esquecimento

O Livro do Riso e do Esquecimento é um romance pelo autor Milan Kundera, que também escreveu A Insustentável Leveza do Ser. Publicado em 1979, O Livro do Riso e do Esquecimento contém sete narrativas separadas, mas que partilham temas em comum, como  a memória, o esquecimento a história política.

O Papel de Parede Amarelo – Charlotte Perkins Gilman

O livro  “O Papel de Parede Amarelo”, escrito por Charlotte Perkins Gilman, conta a história de uma mulher fragilizada, que é levada a uma fazenda por seu marido médico, em uma espécie de retiro terapêutico. Apesar de parecer o lugar perfeito para sua recuperação emocional, o quarto em que o casal se instala é revestido por um sombrio papel de parede amarelo e, proibida de fazer qualquer esforço físico e mental, a narradora fica obcecada pela estampa deste papel. O livro foi publicado em 1892, e por muitos anos foi considerado um conto de terror, porém, tendo em vista trajetória da autora e a profundidade do seu texto, é hoje considerado um clássico da literatura feminista.

Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley

Admirável Mundo Novo é um romance escrito em 1931 por Aldous Huxley. Este clássico da literatura se passa em Londres no ano 2540 e antecipa desenvolvimentos fictícios em tecnologia reprodutiva, hipnopedia, manipulação psicológica e entre outros, que se combinam para criar as bases de uma nova sociedade.

“É isto um homem?” – Primo Levi

“Se Questo è um uomo?”É isto um Homem?) é uma obra prima e um dos mais “belos” livros sobre o Holocausto. Philip Roth rotulou o livro de “One of the century’s truly necessary books“. Muitos autores recomendam que esse livro seja lido por todos pelo menos uma vez por ano. Nos dias atuais em que as pessoas estão menos pacientes e mais egoístas, importante fazermos uma reflexão acerca do comportamento humano. Primo Levi relata de forma sensível a sua triste, dolorosa e aterradora experiência em Auschwitz de forma seca e objetiva com pouca emoção e faz a reflexão do comportamento humano no contexto de caos, violência e desumanização. ! Foi escrito num contexto no qual o homem esqueceu-se do próprio homem e se esqueceu de si mesmo como homem. Um livro bem atual!

A Restauração das Horas – Paul Harding

O livro A Restauração das Horas, escrito por Paul Harding e vencedor do Prêmio Pulitzer em 2010, conta a história de George Crosby, um homem no leito da morte que passa a ter alucinações e relembrar, vezes consciente e vezes não, e, talvez, finalmente viver com emoção, vários momentos de sua vida. George é um relojoeiro, apaixonado por relógios, e por isso, em muitos momentos, as lembranças que tem de sua vida são comparadas ao mecanismo de relógios.

A obra A Cor Púrpura – Alice Walker

Um universo íntimo e delicado é construído tanto a partir das cartas que Celie escreve para Deus e para sua irmã narrando suas experiências e como a partir da amizade e amor com Shug Avery. Apesar da dramaticidade de seu enredo, a obra se mostra muito atual e nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais. É uma história de racismo, machismo, classicismo e outros preconceitos.